Fidelidade de protótipos: Baixa, Média ou Alta, conheça os tipos

Fidelidade de Protótipos

Classificações de fidelidade de protótipos

Na etapa de planejamento de um projeto digital, seja ele um e-commerce, aplicativo ou website, é muito importante criar um protótipo para avaliar os recursos e interações. Mas, existem diferentes tipos de fidelidade de protótipos e podemos destacar 3 principais:

  • Baixa fidelidade;
  • Média fidelidade;
  • Alta fidelidade;

Protótipos de Baixa Fidelidade

Os protótipos de baixa fidelidade, também chamados de rascunhos ou sketches.

No início do planejamento de projetos, eram desenhados à mão, utilizando papel, lápis e borracha. Hoje existem alguns softwares que auxiliam nesta atividade, porém, o que fica realmente definido como sendo um protótipo de baixa fidelidade e sua maneira superficial de passar a ideia do projeto.

Um protótipo de baixa fidelidade visa definir de modo simples como seria a interação do usuário com o projeto não tendo nenhuma preocupação com elementos ligados ao design.

Muitas vezes é utilizado para auxiliar na definição do projeto e levantamento dos requisitos necessários.

Protótipos de Média Fidelidade

Já os protótipos de média fidelidade (normalmente chamado de wireframes) são protótipos muito utilizados já em um trabalho que envolve arquitetura de informação.

Utilizam softwares de prototipação, tais como o Balsamiq ou Axure e tem como principais objetivos:

  • Definir a estrutura de conteúdo da interface;
  • Definir o peso, relevância e relação entre os elementos;
  • Criar um layout básico (com conteúdos e imagens de marcação);
  • Criar simulações simples de uso (ex: clicar em um botão);
  • O protótipo de média fidelidade também se torna algo navegável, ou seja, o usuário consegue navegar entre as diferenças seções do projeto.

Ou sejam, os protótipos de média fidelidade não utilizam recursos de design avançados como cores e imagens e não possui simulações complexas de uso.

Protótipos de Alta Fidelidade

Um protótipo de alta fidelidade (mockup) já possui uma representação bem mais próxima do projeto a ser criado. Na maioria dos casos é possível simular o fluxo completo de todas as funcionalidades de modo a medir a interação do usuário como se fosse o produto final, é claro, sem resgatar e salvar nada em banco de dados.

Em termos de aparência visual já fica bem mais próximo do layout final onde muitas vezes é necessário o envolvimento da equipe de criação para produção de peças gráficas para deixar o protótipo com um design mais atrativo.

Mockup, wireframe ou sketch?

Não existe um convenção definida sobre estes nomes. Tem que chame mockup de wireframe ou até mesmo wireframe de skech ou vice-versa. No final das contas, todos eles remetem no desenvolvimento de um protótipo e a definição da fidelidade que ele tem que seguir tem que ser de acordo com o tipo de projeto e o tempo que se poderá ter para sua criação.

Modelos de evolução de um protótipo

Um protótipo tem que ser sempre atualizado ou depois que chegamos em um determinado ponto devemos abandoná-lo? Existe os dois modelos e definimo-os como prototipação evolucionária e prototipação descartável.

Prototipação evolucionária

A prototipação evolucionária consiste em produzir um modelo inicial de protótipo e ir refinando-o ao longo de várias fases de desenvolvimento do projeto até atingir sua forma final.

Prototipação descartável

A prototipação descarvável consiste em criar modelos que abordam os detalhes do projeto em determinado momento e depois são descartados.

Conclusão

Existem diversos tipos de fidelidade de protótipos e metodologias de prototipação. Para definir qual a correta vai depender do orçamento e tempo que se tem para o projeto, mas uma coisa é fato: Todo o projeto que tem um protótipo considerado em seu planejamento tem muito mais chances de ter seu sucesso alcançado ou fracasso evitado.

Comentários

comentário(s)