Sim, finalmente consegui testar o Magento 2 no sentido de ter feito minha própria instalação. E não foi tão fácil como eu gostaria – embora os maiores problemas foram causados por mim mesmo, como vou explicar a seguir. De todo modo, finalmente consegui instalar o Magento 2 do zero, depois de ter feito um teste meses atrás, ainda na versão em desenvolvimento e em cima de um WAMP, como expliquei no post “Minhas impressões sobre o Magento 2 (não, ainda não!)”.

Meu primeiro problema foram os requisitos do Magento 2. Tenho uma VPS na Knownhost, porém sempre uso versões mais conservadoras, por se tratar de um ambiente de produção, o que significa que ela não atende ao Magento 2. Meu Wamp na máquina de trabalho também não atendia e não consegui incrementar os recursos. Por conta disso, parti para uma VM, em cima do Virtualbox, tudo isso para conseguir testar o Magento 2.

(Acho que você não vai ter problemas com isso, a própria Knownhost já utiliza versões mais novas do PHP e do MySQL em suas novas contas; fui eu quem não atualizou na minha própria VPS. Além disso, você pode fazer muitas coisas diferentes do que eu fiz e, provavelmente, percorrer caminhos muito mais fáceis)

Há muitos anos, a minha distro de preferência para servidores Linux é o CentOS. O problema (ou seria diferencial) é que muita coisa nele é bloqueada e muita coisa tem que ser instalada à parte. De qualquer forma, parti de uma máquina com PHP 5.6 e MySQL 5.6, já com boa parte dos bloqueios resolvidos. Subi os quase 200Mb de arquivos do Magento, criei o banco de dados e comecei a rodar o processo de instalação (que no meu caso, está em um endereço local, chamado dev.magento2).

Instalação do Magento 2

Aceitei os termos e fui adiante. Mesmo tendo deixado tudo em ordem, ele ainda me pediu uma modificação no php.ini (para mudar o registro always_populate_raw_data para -1) e a instalação do php-intl. Não sei como andam os php.ini dos provedores convencionais, mas se eles não tiverem essa chave definida como -1 e não derem a opção de customizar o php.ini para seu site específico, bye bye, Magento 2. Verifique com seu provedor.

Instalação do Magento 2

Tudo certo! Seguem os passos convencionais, quase iguais ao que o instalador do Magento 1 trazia. Primeiro o banco de dados.

Instalação do Magento 2

Depois, os dados do website. Perceba que o próprio Magento já gera um endereço de administração personalizado, aprendizado das brechas de segurança que um endereço padrão trouxe para a primeira versão.

Instalação do Magento 2

No Magento 1, essa tela era a primeira. Agora há também a possibilidade de customizar os módulos que serão instalados.

Instalação do Magento 2

Por fim, os dados do administrador.

Instalação do Magento 2

E a instalação propriamente dita. Ainda tive uns problemas nessa etapa, por culpa das restrições do CentOS. Não foi culpa do Magento, mas ele sempre tem que levar uma parte da culpa! O erro que ele me apontava não tinha nada a ver com a ausência de permissão de escrita, o que me fez perder uns bons minutos.

Instalação do Magento 2

Lembre-se que o endereço dev.magento2 é fictício. Defini para uso apenas com minha máquina virtual, em minha rede.

Instalação do Magento 2

Aí, começamos a brincadeira com o Magento 2 em si. Bom, aqui posso voltar ao que eu já tinha visto em outras lojas demonstrativas mas estava esperando conseguir eu mesmo instalar para poder expor minhas opiniões. Antes que atirem as pedras, vou fazer uma declaração: trabalho com Magento desde 2008 e sempre gostei muito da plataforma. Porém, infelizmente, a Magento Inc. não tem feito a parte dela e a cada dia que passa, sinto mais inclinado a buscar outras opções no mercado. Opções que sejam mais completas desde a base e não precisam de N módulos, feitos por desenvolvedores que não primam pelo zelo em seus trabalhos.

Depois de cinco anos de desenvolvimento, o Magento 2 é mais do mesmo. Certo, entendo que mudou muita coisa, entendo que existem coisas novas dentro dele, como a adoção do Bootstrap,  o enterro de Prototype/Scriptaculous (que Deus os tenham), a adoção do Composer. Provavelmente, o código também deve ter mudado (não consegui ainda ir a fundo em como ele está estruturado). O que vou falar aqui é do ponto de vista do lojista e não do desenvolvedor.

O painel me traz a ideia de que as coisas apenas mudaram de lugar e pra pior. Um dos itens que eu mais tenho dificuldade ao lidar com o lojista são os tipos de produtos. Posso dizer com três livros escritos: é muito complicado de explicar para o lojista que ele primeiro precisa construir a coleção de produtos simples para depois atrelá-los a um produto configurável. Na cabeça do lojista, um produto com N cores e N tamanhos continua sendo um produto. Há formas de se melhorar isso, investindo em um novo construtor de produtos, mas ele não está no Magento 2.

Outro exemplo são as categorias. Qual é a diferença entre Categoria Raiz e Sub-Categoria? No Magento, nenhuma. Mas isso continua ali, exatamente como a tela de edição de categorias continua intocada, apenas com uma maquiagem. Outras tantas funções simplesmente mudaram de lugar, para confundir quem já mexia no M1 e agora quer ir pro M2, sem acrescentar nada.

Frontend do Magento 2

Pra complicar, estou escrevendo esse post no final de janeiro e neste momento, não há módulos que façam a integração do Magento 2 com os Correios ou com os principais métodos de pagamento. Ou seja, usar Magento 2 no Brasil hoje é inviável. A outra questão é: por quanto tempo isso vai continuar assim? Confesso que por um tempo eu quis que a minha profecia estivesse errada (de que o Magento 2 levaria vários meses para estar apto a ser usado no Brasil), mas acho que isso não vai acontecer.

Talvez eu esteja sendo um pouco duro, até porque esperava muito mais do Magento 2. Ele me fez sentir novamente na versão 1.0, lá em 2008, quando tudo no Magento era complicado e se perdia muito tempo. O que vocês me dizem? Como vocês estão usando o Magento 2?

Comentários

comentário(s)

21 respostas

Os comentários estão fechados.